top of page
jacek-dylag-PMxT0XtQ--A-unsplash.jpg
  • Foto do escritorJoão Paulo Koltermann

4 fatores psicológicos para o sucesso profissional: dicas para ter uma carreira bem sucedida


Você já se perguntou o que faz algumas pessoas se destacarem no mercado de trabalho e alcançar o sucesso, enquanto outras ficam estagnadas ou insatisfeitas? Será que é só uma questão de sorte, de talento, de oportunidade? Ou será que existem alguns fatores psicológicos que influenciam o desempenho e o crescimento profissional?


Neste artigo, você poderá conferir quatro dimensões subjetivas que podem fazer toda a diferença na sua trajetória profissional para alcançar o sucesso profissional. São elas:

  • A importância da rede de contatos e dos vínculos sociais;

  • O desafio da construção de habilidades valorizadas e de aprender coisas novas;

  • O impacto das emoções no sucesso profissional;

  • E a vantagem que se pode ter compreendendo melhor a si mesmo e buscando ajuda;

Quer saber como você pode se sair melhor nessas quatro dimensões e alcançar seus objetivos profissionais? Então continue lendo este artigo, vou trazer mais detalhes sobre essas dimensões e ao final vou te indicar um recurso gratuito de autoconhecimento que você pode usar para refletir mais sobre elas.



Grupo de pessoas trabalhando
Grupo de pessoas trabalhando


A importância da rede de contatos e dos vínculos sociais

Você já deve ter ouvido aquele ditado que diz que “quem tem amigos, tem tudo”. E isso não é só uma frase bonita, ela faz bastante sentido. Ter uma boa rede de contatos e de apoio social - a famosa networking - é essencial para o bem-estar, a saúde e para se tornar um profissional de sucesso. E isso vale tanto para a vida pessoal quanto para a profissional. Afinal, quem não quer um ambiente de trabalho onde se sente bem e conectado com as pessoas? E quem não quer ter boas indicações e oportunidades de emprego e de promoção?


Mas como fazer isso acontecer? Como se conectar melhor com as pessoas e construir relações mais significativas? Para você ser capaz de se conectar melhor com os outros, você precisa conseguir se conectar melhor consigo mesmo. Isso mesmo, você precisa estar bem consigo mesmo, para poder se abrir e se interessar pelos outros. Parece simples, mas não é. Muitas vezes, quando estamos mal, ficamos tão focados nos nossos problemas, nas nossas dores, nas nossas dificuldades, que acabamos nos fechando no nosso próprio narcisismo. E isso nos impede de escutar, de valorizar e de entender os outros.


Por outro lado, quando estamos bem, quando temos o nosso narcisismo tratado, fica mais fácil darmos atenção e valor às coisas que as pessoas ao redor estão nos comunicando e demandando. Fica mais fácil também termos um olhar empático, que nos ajuda a nos colocarmos no lugar dessa pessoa e a entendê-la melhor, assim como responder melhor à sua demanda. Desta forma, escutando e observando empaticamente, estamos mostrando que nos importamos, que nos interessamos, que nos envolvemos. E isso faz com que o outro se sinta bem, se sinta valorizado, se sinta confortável na nossa presença. E isso pode criar um vínculo, uma relação de confiança, de respeito, de admiração. Essa postura faz uma grande diferença na hora de construir uma boa rede de contatos e de apoio social.


O desafio da construção de habilidades valorizadas e de aprender coisas novas


É um grande desafio conquistar habilidades valorizadas e aprender coisas novas. Você sabe que o mundo está mudando cada vez mais rápido, e que as exigências do mercado de trabalho estão cada vez maiores. Você sabe que não basta ter um diploma de graduação, um currículo, uma experiência. É importante se atualizar, se reciclar, se reinventar. Mas como fazer isso?


  1. Um primeiro passo para conseguir construir habilidades novas e crescer, continuar sua capacitação, é ter a humildade de reconhecer que não sabemos tudo e que precisamos de ajuda para descobrir coisas novas. A arrogância pode ser um dos aspectos mais nocivos, seja para a construção de vínculos, pois nos colocamos como melhores que os outros, assim como para aprender coisas novas, pois nos fechamos para o conhecimento que vem de fora. Por isso, é importante ter uma atitude de curiosidade, de abertura, de disposição para aprender com os outros, seja com os colegas, os chefes, os clientes, os mentores, os professores, os livros, os cursos, etc.

  2. Um segundo passo é ter persistência e disciplina para superar obstáculos e as dificuldades que surgem no caminho do aprendizado contínuo. Muitas vezes, desistimos de aprender algo novo porque achamos que é muito difícil, que não temos capacidade, que não vale a pena. Mas isso é um engano, pois o aprendizado é um processo que envolve erros, tentativas, frustrações, mas também acertos, conquistas, satisfações. É preciso ter paciência e perseverança para não desanimar, aprender com os erros e continuar buscando atingir seus objetivos e metas.

  3. Um terceiro passo é ter flexibilidade se adaptar a mudanças e as novidades que o mundo nos apresenta. Não adianta ficarmos presos às nossas zonas de conforto, às nossas rotinas, às nossas certezas. É preciso estar atento e receptivo ao que é novo, ao que é diferente, ao que é inesperado. Em um mundo cada vez mais mutável, é preciso estar disposto a mudar de opinião, de estratégia, de direção, quando necessário. É preciso estar preparado para os desafios e as oportunidades que surgem a cada momento.

O impacto das emoções no sucesso profissional


As emoções são uma parte fundamental da nossa vida. Elas nos ajudam a perceber o que é importante, o que nos agrada, o que nos incomoda, o que nos motiva, o que nos desanima. Elas também influenciam a forma como nos comportamos, como nos comunicamos, como tomamos decisões, como resolvemos problemas. Por isso, as emoções têm um grande impacto no nosso sucesso profissional.


Mas como lidar com as emoções de forma saudável e produtiva? Como não deixar que elas nos atrapalhem ou nos prejudiquem?


  1. Um primeiro passo é reconhecer e aceitar as nossas emoções, sem negá-las, sem reprimi-las, sem julgá-las. Muitas vezes, temos medo ou vergonha de sentir certas emoções, como raiva, tristeza, medo, ansiedade, etc. E tentamos escondê-las ou ignorá-las. Mas isso só faz com que elas se acumulem e se tornem mais intensas e mais difíceis de controlar. Por isso, é importante dar espaço e voz às nossas emoções, permitindo que elas se expressem e se dissipem. Sobretudo, é importante buscar um ambiente psicoterapêutico, como psicologia ou psicanálise, para ter ajuda nesse processo.

  2. Um segundo passo é compreender e regular as nossas emoções, sem deixar que elas nos dominem, sem deixar que elas nos paralisem, sem deixar que elas nos desviem. Muitas vezes, somos levados pelas nossas emoções, sem questioná-las, sem analisá-las, sem moderá-las. E isso pode nos fazer agir de forma impulsiva, irracional, inadequada, prejudicial. Por isso, é importante ter consciência e critério sobre as nossas emoções, avaliando se elas são proporcionais, se elas são justificadas, se elas são compreendidas.

  3. Um terceiro passo é expressar e comunicar as nossas emoções, sem exagerá-las, sem minimizá-las, sem distorcê-las. Muitas vezes, temos dificuldade de mostrar ou de falar sobre as nossas emoções, seja por timidez, por orgulho, por insegurança, por falta de habilidade. E isso pode nos fazer parecer frios, indiferentes, arrogantes, incompreensíveis. Por isso, é importante saber transmitir e compartilhar as nossas emoções, usando uma linguagem clara, honesta, respeitosa, assertiva. Isso pode ser exercitado e aprendido durante as sessões de psicoterapia e psicanálise.


A vantagem que se pode ter com o autoconhecimento


Por fim, mas não menos importante, há uma dimensão subjetiva que pode ser a chave para o seu sucesso profissional: o autoconhecimento. É a capacidade de se conhecer e entender melhor e assim aceitar-se. É a capacidade de reconhecer os seus pontos fortes e os seus pontos fracos, as suas qualidades e os seus defeitos, as suas virtudes e os seus vícios. 

O autoconhecimento é importante porque ele nos ajuda a ter mais clareza sobre quem somos, o que queremos e como funcionamos. O que podemos e o que precisamos. Conhecer-se a si te ajuda nas suas tomadas de decisão, que passam a ser mais conscientes e direcionados a alcançar seus objetivos traçados, uma vez que estará mais cientes dos passos que precisa trilhar para obter sucesso em sua carreira. Ele nos ajuda a ter mais coerência entre o que pensamos, o que sentimos e o que fazemos.


Mas como desenvolver o autoconhecimento? Como se conhecer melhor e se entender melhor?


  1. Um primeiro passo é ter a coragem de olhar para si e confrontar-se com a sua própria imagem. Muitas vezes, temos medo ou vergonha de nos vermos como somos e nos aceitarmos. Tentamos nos esconder e nos adaptar. Mas isso só faz com que nos afastemos de nós mesmos. Por isso, é importante ter a honestidade de se mostrar.

  2. Um segundo passo é ter a curiosidade de se explorar. Muitas vezes, ficamos satisfeitos ou acomodados com o que já sabemos sobre nós mesmos, com o que já conseguimos sobre nós mesmos, com o que já somos. E deixamos de buscar, mas isso só faz com que nos repitamos. Por isso, é importante ter a vontade de se aprofundar e se transformar.

  3. Um terceiro passo é ter a humildade de buscar ajuda. Muitas vezes, somos orgulhosos ou teimosos em relação a nós mesmos, em relação aos nossos erros e dificuldades. Mas isso só faz com que nos fechemos para o novo. É importante conhecer a si, suas potencialidades e limites para saber onde precisa de ajuda para se aperfeiçoar.


Conclusão

Neste artigo, você conheceu quatro fatores psicológicos que podem impulsionar o seu sucesso profissional. Essas são dimensões subjetivas que podem fazer toda a diferença na sua trajetória profissional, se você souber como lidar com elas de forma saudável e produtiva.


Se este é um conteúdo que te interessou, considere buscar ajuda profissional, durante as sessões de psicoterapia ou psicanálise é possível um grande crescimento pessoal e profissional.

Mas como você pode saber se você está se saindo bem nessas dimensões? Para te ajudar nessa tarefa, eu tenho uma dica para você: um recurso gratuito de autoconhecimento que você pode usar para refletir mais sobre essas dimensões. Trata-se de um documento com algumas perguntas sobre como você se relaciona consigo e com os outros, como você constrói e aprende habilidades novas, como você lida com as suas emoções, e como você se conhece melhor.


Para acessar o questionário, basta clicar no link abaixo e seguir as instruções. É rápido, fácil e gratuito.


Espero que você tenha gostado deste artigo e que ele tenha sido útil para você. Se você gostou, compartilhe com os seus amigos, colegas e familiares. E se você quiser saber mais sobre saúde mental, psicologia e psicanálise, continue acompanhando o nosso blog e o nosso canal no YouTube. Um abraço e até a próxima.




0 comentário

Comments


bottom of page